publicidade

Daniel Alves cobra união contra racismo, e Grafite diz que política do futebol atrapalha ativismo

0 0 0
Convidados de um dos painéis desta quarta-feira do World Football Summit (WFS), evento organizado pelo ex-jogador Ronaldo, o lateral-direito Daniel Alves, do São Paulo, e o ex-atacante Grafite, comentarista do SporTV , debateram sobre ativismo de jogadores no futebol atualmente. Sob a mediação da apresentadora Glenda Koslowski em transmissão de vídeo, deram suas opiniões sobre como os atletas podem se posicionar contra racismo e outros preconceitos para ajudar na conscientização do meio.



LEIA TAMBÉM: João Doria confirma retorno do Paulistão para o dia 22 de julho

O lateral cobrou dos organizadores do futebol brasileiro uma posição mais firme com quem comete atos de racismo.

- Sinto falta de uma união das federações no Brasil.

"Precisam deixar de ser egoístas, pensando nelas e nos benefícios que o esporte pode trazer, e começar a pensar naqueles que eles estão representando"

- Deveria se fazer valer todo o poder que o esporte tem - afirmou.

Grafite destacou a dificuldade que os jogadores têm para organizarem ações coletivas contra o racismo ou a favor de outras causas.

- É difícil se posicionar em um esporte que não é individual. O futebol é uma coisa muito política, é difícil para os jogadores se reunirem e realizarem um evento.

- O futebol tem aquela parte política que limita os jogadores de tomar partido fora do campo - criticou.

Grafite foi vítima de ofensas racistas do zagueiro argentino Leandro Desábato em jogo do São Paulo contra o Quimes, pela Copa Libertadores, em 2005. O adversário foi preso, mas depois liberado. Para o ex-atacante, hoje em dia, com a carreira consolidada, acha mais fácil tomar posição.

- Quando você é um jogador consagrado, é mais fácil para nós nos posicionarmos. Mas para aqueles que estão começando e ainda não têm um nome, é difícil. Estou falando dentro do futebol, em outros esportes eu não tenho conhecimento. Agora, com os movimentos que ocorreram ao redor do mundo, a luta contra o racismo vai ser mais igualitária.

Em 2014, Daniel Alves comeu uma banana atirada em campo durante jogo do Barcelona contra o Villarreal. Seis anos depois, disse que vai continuar se posicionando contra o que for quando bem entender.

- Continuarei incentivando grande parte da união dos povos, dos atletas. Tomo uma posição quando tenho que tomar uma posição, quando tenho que expressar minha opinião. É uma questão mundial, todos têm que se unir, fazer uma defesa - disse.



LEIA TAMBÉM: Na mira do Atlético-GO, Tréllez ainda busca espaço no São Paulo

São Paulo, daniel alves, grafite, racismo

VEJA: São Paulo registra B.O. para apurar ato de vandalismo no CT de Cotia

E MAIS: Portimonense pode comprar Júnior Tavares do São Paulo


NOVO PATROCINADOR PRA CAMISA, DANI ALVES E PATO - COMENTARISTA FALA DE MANO MENEZES NO SPFC


TORCEDORES ATIRAM BOMBAS NO CT E POLÍCIA É REFORÇADA. ARTEFATOS FORAM ENCONTRADOS!



Avalie esta notícia: 2 2

Comentários (6)

09/07/2020 08:08:12 Rodrigues Santos

RACISMO DESDE DOS PRINCÍPIOS DO MUNDO...ME NINGUÉM CONSEGUE ACABAR COM ISSO.... INFELIZMENTE UM MUNDO CRUEL EM QUE VIVEMOS,,. VAMOS FOCAR MAIS NO FUTEBOL...... SOMOS TODOS IGUAIS E IRMÃOS.

09/07/2020 07:09:23 Samuel Vilar

Cada um deve ter direito de se posicionar. Mais democracia, respeito, diálogo. Menos mimimi.

09/07/2020 00:31:12 Jaquisson Da Cruz

Grafite perdeu a grande chance de lutar contra o racismo, quando horas depois arregou e retirou a denúncia contra o De''sabato.

08/07/2020 23:55:21 Céliapinheiro Pinheiro

sai do sp e seja campeão

08/07/2020 22:31:18 Valdir Dih10

Agora ta passando o jogo do fluminense, la o Nene se mata pra jogar, o Hudson como sempre jogando bem desde o São Paulo. Mas essa diretoria medilcre dispensa todo bom jogador.

08/07/2020 20:59:54 Jose Feitosa

Esse papo já encheuvo saco, fala de futebol kralho.

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.