publicidade

Situação financeira do São Paulo já era difícil e pode ficar ainda mais delicada, entenda

Clube previa aumento de receitas e diminuição de gastos para ''tapar buraco'' deixado pela temporada passada, mas paralisação dos campeonatos é empecilho

Leco tem desafios para lidar no último ano de mandato (Foto: Maurício Rummens/Fotoarena/Lancepress!)

Semana passada o clube decidiu que vai suspender 50% dos salários dos jogadores e congelar os direitos de imagem durante a pausa dos campeonatos devido ao novo coronavírus. A medida deixou boa parte do elenco descontente, mas a diretoria acredita que é a única maneira de sobreviver à crise, com a ausência de receitas importantes com bilheteria, direitos de transmissão e até patrocínios nos próximos meses a situação tende a ficar mais delicada.



SPFC fechou 2019 com um déficit de R$ 156 milhões. O clube justifica que esse valor elevado tem duas causas principais: a decisão de não vender atletas no meio da temporada passada e os acordos judiciais que foram feitos com antigos credores (principalmente CET, empresários que ajudaram na compra do meia Ricardinho e atletas que cobravam direitos de arena) - cerca de R$ 80 milhões que entram na conta mesmo com os pagamentos agendados para os próximos anos.



LEIA TAMBÉM: São Paulo paga direito de imagens atrasados e 50% dos salários


Esse cenário fez com que o clube projetasse em seu orçamento para 2020 alguns movimentos importantes, como a redução dos gastos com o departamento de futebol e o faturamento de aproximadamente R$ 400 milhões, contando com o crescimento de receitas recorrentes como o patrocínio máster, por exemplo. E essa é uma das grandes preocupações geradas pela pandemia: o contrato com o Banco Inter vence no fim de abril e, com a paralisação dos campeonatos, as negociações para renovar congelaram.

As partes evitam divulgar os valores do contrato, mas estima-se que estivessem perto dos R$ 20 milhões anuais, considerando fixo e variável (há um gatilho, por exemplo, relacionado ao número de contas abertas no Banco Inter, que estava na casa de 25 mil novos clientes ao mês). Se o São Paulo iniciou a negociação munido de argumentos para conseguir reajustar o valor, agora sabe que todos os patrocinadores do futebol brasileiro perderam visibilidade durante a crise e que dificilmente conseguirá assinar um novo vínculo enquanto a situação não se normalizar.

Mesmo antes da pandemia, o São Paulo já considerava que o dinheiro gerado pelas vendas casadas de Antony e dos 20% restantes dos direitos de David Neres ao Ajax representaria fôlego financeiro para meia temporada. Isso significa que já seria necessário efetuar uma nova grande venda na janela de julho, o que agora torna-se quase obrigatório - Igor Gomes é o favorito a receber propostas. Para aguentar até lá com os campeonatos parada, a saída encontrada foi reduzir drasticamente as despesas mensais, e é aí que entram os atletas. A folha salarial do elenco profissional supera os R$ 10 milhões por mês.

O clube ainda fará algumas negociações individuais. Daniel Alves, por exemplo, tem uma robusta parcela de seus direitos de imagem a serem recebidos em abril. A ideia é postegar ao menos parte do valor. A pandemia, aliás, também dificulta na busca por parceiros que ajudem a bancar o camisa 10 - por enquanto, a única empresa com acordo fechado, mas ainda não vigente, é a DAZN, que pagará R$ 5 milhões para explorar a imagem do jogador. Um detalhe importante: o orçamento do Tricolor já considera o pagamento de 100% dos valores prometidos a Daniel, então a chegada de parceiros significa um "plus", e não algo indispensável.



Com esta crise, uma das antigas promessas da gestão Leco torna-se ainda mais difícil de ser cumprida: a de zerar a dívida bancária do clube, hoje estimada em R$ 160 milhões - se somada a débitos relativos a aquisição de jogadores e aos pagamentos de tributos já negociados por meio do Profut, o valor bate os R$ 300 milhões. A partir de 2019, a diretoria já havia deixado esta meta de lado para priorizar a montagem do elenco com a aquisição de jogadores de custo alto.

São Paulo, Situação, Financeira, Difícil, Delicada, SPFC

VEJA TAMBÉM
- Thiago Carpini é demitido do São Paulo após quatro meses no cargo
- Campeão da Champions League deve ser anunciado como treinador do São Paulo
- São Paulo é derrotado pelo Flamengo e pressão sobre Carpini aumenta


Receba em primeira mão as notícias do Tricolor, entre no nosso canal do Whatsapp


Avalie esta notícia: 3 5

Comentários (1)
07/04/2020 18:29:33 Josenildo Silva

Não so a do São Paulo de todos times Brasileiros olha o flamengo perdeu 9 milhões de um.patrocinio entao pros outros fica difícil também

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.
  • publicidade
  • publicidade
  • + Comentadas Fórum

  • publicidade
  • Fórum

  • Próximo jogo - Brasileiro

    Dom - 18:30 - Antônio Accioly -
    Atletico Goianiense
    Atletico Goianiense
    São Paulo
    São Paulo

    Último jogo - Brasileiro

    Qua - 21:30 - do Maracanã
    https://media.api-sports.io/football/teams/127.png
    Flamengo
    2 1
    X
    São Paulo
    São Paulo
    Calendário Completo
  • publicidade
  • + Lidas

  • publicidade