publicidade

OPINIÃO: São Paulo fez pressão para que o Palestra mudasse de nome

O jornalista e apresentador Márcio Trevisan conta a pressão exercida pelo São Paulo para quero Palestra Itália mudasse de nome e, se não acabasse a ordem, perdesse seu estádio.



Como se sabe, o Brasil se uniu ao Aliados já com a II Guerra Mundial em andamento. Por isso, por decisão do então presidente Getúlio Vargas e também devido a uma enorme pressão popular, o Palestra Itália se viu obrigado a ceder em alguns pontos, dentre estes a mudança do nome ? a palavra ?Itália?, então inimiga brasileira, teria de ser excluída.


LEIA TAMBÉM: "Nunca me senti tão humilhado em 35 anos de devoção ao clube"


Por mais que se esforçassem, os dirigentes palestrinos não conseguiam entender por que o Governo Federal exigia a mudança do nome do clube. Mas não houve como não acatar a ordem governamental, pois a punição seria terrível: entidades que não se adaptassem às exigências federais, incluída aí a mudança do nome, deveriam ficar cientes de que poderiam ter seu patrimônio tomado pelo Governo que, em seguida, o leiloaria. E foi então que cresceram os olhos de um dos principais rivais palestrinos da época.

Ainda uma criança, visto que contava apenas 12 anos, o São Paulo FC já tinha, porém, objetivos de grandeza. Mas para se tornar a potência que sonhava ser e se tornaria pouco depois, o clube precisava de um estádio de futebol. A sensação de inferioridade perante Palestra Itália, Corinthians e Portuguesa, só para citarmos alguns exemplos, incomodava o Tricolor. Desta forma, nada mais interessante aos são-paulinos que unirem o útil ao agradável: se não mudasse de nome, o Palestra perderia o Parque Antarctica que, em leilão, poderia acabar nas mãos do então principal rival.

Talvez tenha sido este o principal motivo que levou o então presidente palestrino, Ítalo Adami, a aceitar a mudança no nome, ainda que isso ferisse, como já dissemos, o orgulho de cada italiano e de cada brasileiro que, de uma forma ou de outra, fazia parte do clube. Mas, já que a Nação parecia ultrajada com o a palavra "Itália", que fosse ela, então, suprimida da denominação do alviverde. A partir de então, o Palestra Itália passaria a se chamar "Palestra de São Paulo". E para dar um tom ainda mais brasileiro ao clube, o símbolo passaria a ter as cores verde e amarela.

Tudo resolvido? De início pensou-se que sim, mas em pouco tempo se viu que não. O Governo Federal até que se deu por satisfeito com a mudança, mas como dissemos havia um outro interessado nesta história. Ainda de olho no Parque Antarctica, dirigentes são-paulinos, comandados por Porfírio da Paz, lideraram uma campanha popular exigindo alterações ainda mais extensas, como retirar também a palavra ?Palestra? do nome oficial do clube, muito embora o substantivo não seja de origem italiana e nem mesmo latina, mas sim grega. Tinham os tricolores a certeza de que a diretoria não aceitaria mais esta alteração e que, diante da postura que ela certamente tomaria, os governantes do País poderiam tomar o patrimônio e em seguida todo ele passar às mãos são-paulinas.

O clima de beligerância contra o nosso clube crescia a cada dia. Várias foram as vezes em que o Parque Antarctica se sentiu ameaçado de invasão e depredação (houve, segundo jornais da época, até mesmo um abraço simbólico Ao Parque Antártica reunindo várias personalidades, inclusive de clubes rivais). Mas, aos poucos, os homens que comandavam o clube perceberem que não haveria outra saída a não ser mais esta mudança, desta vez brutal. Só isso poria fim à onda de protestos da qual o clube vinha sendo alvo principal e acabaria com o sonho são-paulino de ?ganhar? o estádio.

E assim se fez. Reunidos na sexta-feira, 18 de setembro de 1942, os dirigentes resolveram tomar duas decisões radicais: a partir de então, também a palavra "Palestra" deixaria de existir e o vermelho seria suprimido da camisa. Aproveitou-se a letra "P", que já existia no símbolo, e se decidiu que o novo nome seria "Palmeiras", numa homenagem a uma antiga equipe paulista que sempre mantivera com os palestrinos uma relação de amizade e respeito: a Associação Atlética das Palmeiras (curiosamente, uma das precursoras do São Paulo FC).



Sem o vermelho, sem o Palestra e o sem o Itália, o Palmeiras ficou apenas com o verde e o branco. E também com o Parque Antarctica. Para sempre.

Menon: vale este!!!


VEJA TAMBÉM
- Substituição de Rodrigo Nestor preocupa torcedores do São Paulo
- OUTRA DERROTA! São Paulo atua mal outra vez e é goleado pelo Vasco em São Januário
- Provávele escalação do São Paulo para enfrentar o Vasco no Brasileirão


Receba em primeira mão as notícias do Tricolor, entre no nosso canal do Whatsapp


Avalie esta notícia: 13 3

Comentários (3)
12/03/2023 19:28:58 Theogenes Novaes

Tudo isso é documentado ou só história para encher blog?

Historia de um tempo Horrivel !! desagradavel ! Sao Paulo errou em se envolver.

12/03/2023 16:10:21 +1SOBERANO

Sempre a mesma choradeira, vai mamar num cacho de bananeira, a minha camisa não é verde, verde não tem mundial, verde caiu duas vezes para a série B, aqui é SÃO PAULO, porraaaa, tri mundial e vocês nunca serão.

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.