apostas Agentes estão ganhando fortunas em processos contra clubes
publicidade

Agentes estão ganhando fortunas em processos contra clubes

0 0 0
Nos últimos anos, os agentes se tornaram uma peça fundamental para os jogadores que desejam ter sucesso em suas carreiras dentro do futebol. Por conta da alta procura, esses profissionais foram supervalorizados e consequentemente passaram a ganhar cifras astronômicas em negociações de atletas.



O agente é importante para o jogador. Ele é responsável por conhecer pessoas certas para impulsionar a carreira do atleta, na prática, fazer "a ponte" entre o profissional do futebol e o clube interessado. No entanto, parece que alguns faturam mais até do que muitos jogadores.


LEIA TAMBÉM: Escalação do São Paulo: Luciano treina e deve atuar contra o Palmeiras


"Não é incomum vermos clubes prometendo altas cifras aos intermediários como uma forma de captar jogadores por eles representados. Na escala de pagamento dos clubes, via de regra, o intermediário é um dos últimos, senão o último, a receber o que lhe é devido. Isso faz com que os clubes acabem acumulando dívidas perante os agentes, não restando outra opção a estes senão acionar o judiciário ou o foro competente para cobrar o devido", afirma Pedro Juncal, advogado especialista em direito desportivo.

"Até o momento, o regulamento sobre intermediários da Fifa ou das Associações Nacionais (RNI) não limitam os valores de comissionamento, então, naturalmente isso fica no campo negocial. É comum que os principais agentes, com os principais atletas do mercado, possam exigir valores diferentes da média do mercado. Em alguns casos os clubes negociam, firmam contratos, e não pagam. Diante disso, é claro que esses intermediários vão buscar o que é de direito na justiça comum ou em outros órgãos", explica Luiz Marcondes, advogado especialista em direito desportivo e colunista do Lei em Campo.

No futebol brasileiro, alguns empresários ganham valores inimagináveis. No caso mais recente dessa semana, André Cury, um dos agentes mais influentes do mercado, entrou com uma ação na Justiça para pedir o bloqueio de R$ 40 milhões das receitas do Atlético-MG por conta de dívidas não pagas. O profissional já ajuizou ao menos 24 ações contra o clube mineiro por comissões de jogadores negociados. Esse é apenas um caso de muitos.

O Lei em Campo já contou como esse cenário poderá mudar a partir de 2022. Em novembro do ano passado, a Fifa anunciou que pretende limitar os gastos e os valores das comissões dos agentes e empresários de futebol. Somente em 2019, esses profissionais arrecadaram 541 milhões de euros em transferências de jogadores, quantia quatro vezes maior do que a registrada em 2015.

Diante desses números, a entidade máxima do futebol pretende estabelecer um novo código de conduta e um processo de regularização desses agentes (licenciamento obrigatório), algo que já existiu no passado, mas que foi deixado de lado em 2015 pelo então presidente da Fifa, o suíço Joseph Blatter.

Entre as medidas previstas estão: limite de 10% caso o agente atue em nome do clube vendedor, 6% pelo clube comprador e 3% pelo jogador. Além disso, a Fifa pretende proibir os empresários de participarem de mais de um lado nas negociações de jogadores.

"Esse não é um plano contra os agentes. É um plano para eles e para o futebol. Os padrões éticos têm de ser alterados", disse Emílio Garcia, diretor responsável por assuntos jurídicos da Fifa.

Para Pedro Juncal, a fixação de limites máximos sobre o percentual de lucros dos intermediários é uma medida descabida e servirá apenas para criar um monopólio dos 'grandes' agentes.



"Um dos argumentos da FIFA para ensinar a fixação de 'cap' é de que os agentes estão lucrando mais em transferências de atletas do que os clubes com as indenizações por formação, o que não faz o menor sentido, já que muitas das vezes são os próprios clubes que não cobram a solidariedade ou a compensação por treinamento. Esta comparação apenas agrava a ilusão existente na sociedade de que os agentes de jogadores sempre recebem altas percentagens nas transferências. Em verdade, quanto maior o valor da transferência, menor tende a ser a percentagem, devendo-se levar em conta que grande parte das transferências não ultrapassa a barreira do milhão. Portanto, a estipulação de 'cap' na comissão pode acabar afastando os pequenos e médios intermediários do mercado, criando uma espécie de monopólio dos grandes agentes, e ser inefetivo, pois não haverá grandes alterações no que toca às comissões dos grandes agentes", avalia o advogado.

"Mais do que saber se essa regulação será boa ou ruim é importante entender as lógicas do mercado. Eu vejo a movimentação da Fifa como razoável e interessante, mas espero que ela tenha a sensibilidade de saber que regular o mercado com uma realidade que não é efetivamente a que nós temos, pode trazer ainda mais problemas", completa Marcondes.

Para Marcondes, o mais razoável seria "regular o mercado de acordo com a regra, que é a dificuldade de salários, que representa a maioria dos casos. É sempre bom lembrar que altos salários são exceções no futebol".

Agentes, ganhando, fortunas, processos, clubes

VEJA TAMBÉM:Em alta no São Paulo, Benítez tem sondagens do exterior

CONFIRA:
[PRÓXIMO JOGO] Saiba onde assistir, horário e informações de São Paulo x Racing














Avalie esta notícia: 4 4

Comentários (4)

16/04/2021 15:36:05 Sergio Gandini

Boa Wilson Carlos, concordo plenamente contigo.

16/04/2021 13:22:23 Jailton Alves

É conversa fiada essa história que "grande parte das transferências não ultrapassa a barreira do milhão", somente Neymar e Mbappé foram negociados um por 222 milhões de euros e o outro por 170, se transformar em reais hoje seria mais de 2 bilhões. O proprio São Paulo liberou um atleta da base em 2020 para o Barcelona por 5 milhões de euros e como vem falar em um milhão? Para esse empresários ou agentes de futebol 1 milhão é dinheiro de pinga, é mincharia.

16/04/2021 09:58:34 wilson carlos

Esses agentes são um cancer do futebol. Só põe no rabo dos clubes. O famoso projeto Caracú. Os gentes entram com a cara e os clubes com o Cú.

16/04/2021 08:41:25 Sebastiao Luiz Fermino

Esses agentes sao um incurável no futebol, além de ganharem muito dinheiro, ainda manipulam os jogadores para não assinarem cotrato com os clubes, e assim se transferir para outras agremiações! Aja vista o que aconteceu com Oscar, e agora recentemente com Rodrigo Nestor, que influenciado por empresários dificultou em muito a renovação de contrato, isso para citar somente esses dois casos!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.
  • publicidade
  • + Comentadas Fórum

  • publicidade
  • Fórum

  • Próximo jogo - Libertadores

    Ter - 21:30 - -
    São Paulo
    São Paulo
    Racing Club
    Racing Club

    Último jogo - Paulista

    Dom - 20:30 - Morumbí
    images/icon-spfc.png
    São Paulo
    4 0
    X
    Mirassol
    Mirassol
    Calendário Completo
  • publicidade
  • + Lidas

  • publicidade
  • Untitled Document
    Classificação
    P J V E D GP GC SG ÚLT. JOGOS
    Libertadores Pré-Libertadores Sul-Americana Rebaixados
    vitoria empate derrota
17/05/2021 22:00:19