publicidade

CBF terá que homologar CTs para uso do VAR no Brasileirão

0 0 0
Sala do VAR com proteção de acrílico para separar profissionais usada no retorno do Carioca. CBF usará igual no Brasileiro (Imagem: Divulgação)

Pode ser recorrente no Campeonato Brasileiro que começa no próximo final de semana o agendamento de partidas para locais incomuns e com estrutura inferior a estádios, como centros de treinamento, e isso pode levar a problemas, por exemplo, para a utilização do VAR, o árbitro de vídeo.



Grêmio x Fluminense, no dia 9 de agosto, foi o primeiro: a CBF teve que tirar o confronto da Arena do Grêmio porque não havia garantia de que jogos estariam liberados em Porto Alegre por causa da pandemia do coronavírus — nesta sexta-feira (31) a prefeitura de Porto Alegre liberou partidas na capital e não se sabe se a CBF devolverá o confronto para sua casa original.


LEIA TAMBÉM: Aposta em Diniz irrita dirigentes do Morumbi e do CT


De qualquer modo, o CT Hélio Dourado, da base gremista, é quem receberá até agora a partida na cidade de Eldorado do Sul, vizinha à capital gaúcha. Mas para que o VAR seja usado no centro de treinamento é preciso que o local ainda seja homologado. No momento a CBF avalia que não terá problemas com isso, mas o árbitro de vídeo requer protocolos que precisam ser seguidos. E, pelo regulamento, os 380 jogos precisam ter o VAR, com o risco de prejuízo para alguns clubes.

Há a necessidade de um mínimo de oito câmeras para que o VAR seja permitido. As emissoras que detêm os direitos de transmissão preveem o uso mínimo dessas câmeras, que são as usadas pelos operadores da empresa contratada pela CBF para comandar os equipamentos no VOR (a sala do VAR) — Grêmio x Fluminense está previsto para ser transmitido pelo SporTV e pelo Premiere (pay-per-view) — não terá torcida presente.

A questão é se alguns locais terão estrutura para isso. Por exemplo: é preciso uma sala com tamanho adequado para receber o VOR, principalmente em meio à pandemia do coronavírus. Pelo protocolo da CBF, os sete profissionais que normalmente ficam dentro da sala (três árbitros, três operadores e um fiscal da confederação) precisam de espaço. Serão colocadas nas salas divisórias de acrílico para separar as pessoas, além do uso obrigatório de máscaras. Dependendo da necessidade, pode se diminuir o número de operadores na sala para dois.

A CBF descartou criar "salas" para o árbitro de vídeo ao ar livre pela necessidade de ar condicionado para manter os equipamentos usados em bom funcionamento. Cidades muito quentes, ou até mesmo chuva mais forte, prejudicariam toda a operação.

Por custo, ainda é inviável para a CBF criar VORs fixos na sede da entidade, como previsto. A Federação Paulista de Futebol fez isso nas finais do Paulistão, mas apenas para oito partidas. É preciso cabos de fibra ótica e encareceria muito o que já é considerado um alto valor, na casa dos R$ 19 milhões.



No início da pandemia e da paralisação do futebol, em março, alguns clubes questionaram a CBF sobre o uso do VAR no Brasileiro, por causa da perda de receitas que teriam. Os 20 participantes da Série A dividem cerca de R$ 7 milhões dos gastos. Foi decidido, porém, que seria um retrocesso tirar o VAR do torneio após ele funcionar satisfatoriamente em 2019.

São Paulo, CBF, Homologar, CTs, VAR, Brasileirão, SPFC


VEJA: São Paulo registra B.O. para apurar ato de vandalismo no CT de Cotia

E MAIS: Portimonense pode comprar Júnior Tavares do São Paulo


NOVO PATROCINADOR PRA CAMISA, DANI ALVES E PATO - COMENTARISTA FALA DE MANO MENEZES NO SPFC


TORCEDORES ATIRAM BOMBAS NO CT E POLÍCIA É REFORÇADA. ARTEFATOS FORAM ENCONTRADOS!



Avalie esta notícia: 0 0

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a comentar.

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.